Porque Cientistas Criam Animais Fluorescentes ?





Certos genes, embora possam ter grande impacto no organismo, não apresentam qualquer manifestação visível. Para facilitar sua verificação, muitos geneticistas, ao inserir material genético no DNA de animais, acrescentam um gene responsável por tornar certas águas-vivas fluorescentes quando expostas a luz ultravioleta.
Cães, gatos, porcos,


macacos, ratos, bichos-da-seda e, mais recentemente, coelhos (em experimento realizado por cientistas da Universidade de Istambul, Turquia) já entraram na lista de animais “brilhantes”.
cats-cloned-glowing-animals_11832_600x450
Essa estratégia ajuda a confirmar que uma transferência de material genético foi bem-sucedida. Foi usada, por exemplo, por pesquisadores da Mayo Clinic (EUA), que criaram, por meio de terapia genética, gatos resistentes ao FIV (a “versão felina” do HIV).
rats-mice-glowing-animals_11838_600x450



nematode-worm-glowing-animals_11836_600x450
Em outros casos, o “gene fluorescente” é inserido não apenas para verificação, mas com o objetivo de criar um material que brilhe, como no caso de bichos-da-seda modificados para produzir matéria-prima fluorescente. [Discovery]